quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Seja amiguinha das suas amigas; do seu homem, seja mulher


Eu não sou uma "guerreira".
Guerreiro é o meu Deus, o SENHOR dos Exércitos, que luta as minhas lutas e me dá vitória.
Eu sou uma mulher comum, delicada, frágil, que precisa ser protegida.
O que me faz forte - ou fortalecida - é o fato de ser cheia do Espírito Santo. É a graça de Deus que me impulsiona para além das minhas habilidades naturais.

Por isso, é uma tolice idolatrar pessoas, pois são seres falhos e fracos. Se tem que adorar alguém, adore o Dono da Unção: Jesus Cristo, o Autor desta minha fé que me faz andar sobre as minhas alturas. Glórias a Ele!


A delicadeza faz parte da alma feminina.
Os detalhes. As percepções.


Existe diferença sim, entre um homem e uma mulher. E isso é que é bonito. Isso é que é gostoso.
A mulher pode ser até um pouco sapeca, mas tudo dentro do olhar feminino.


Nossa alma é singela e meiga isso é o que agrada ao homem, despertando-lhe o instinto protetor.


Seja amiguinha das suas amigas; do seu homem, seja mulher.



Isso, obviamente, não tira o caráter do companheirismo.


Tenho um amigo, homossexual, e costumamos dar longos passeios pela natureza, apreciando as folhas, as árvores e seus frutos. Ele conhece tudo! É muito prazeroso passear e prosear com meu amigo gay. Porém, nossa relação não é uma relação entre um homem e uma mulher, pois lhe falta aquele dom que o homem hetero possui. Embora ele seja super cavalheiro e cuidadoso comigo, a diferença fica notadamente clara. E por que estou falando sobre isso? Porque há uma diferença única e essencial entre um homem e uma mulher heteros, que os torna apropriadamente complementar um ao outro.


Homens: Não tirem a alma feminina da mulher! Trate-nos como mulheres. Não queira um companheiro de luta: isso você pode procurar em seus amigos. Sua mulher deve ser sua confidente sim, mas não coloque sobre ela a responsabilidade do caçador. Você caça, ela prepara o alimento. Essa figura metafórica remete à distinção de papeis, pois eles são claros, distintos, na funcionalidade de uma família naturalmente criada para existir e procriar - ou seja, formada para criarem juntos. Mesmo que não sejam mais filhos humanos, mas projetos em comum a um casal que se ama, e caminha junto sobre o propósito de sua união.


Mulher, não permita que as lutas, que as necessidades diárias, tirem a beleza da sua feminilidade. Exija o seu direito de ser mulher.
A mulher, com sua doçura, comanda a casa e a família com sabedoria. Sim, comanda! Pois, junto com seu marido, ela constroi seu patrimônio familiar e conjugal. Ser mulher não significa estar isenta das decisões. Não, senhora! A responsabilidade é de ambos. Só não permita que seu coração - e seu semblante - endureça face às dificuldades da vida. Seja sempre mulher. E sempre bela.